Buscar
  • Flavia Vivacqua

NOVAS ORGANIZAÇÕES e CULTURA

A Força não provem da capacidade física e sim de uma vontade indomável (…),

o Amor é a força mais sutil e humilde do mundo, a força mais poderosa!

Mahatma Gandhi 


A liberdade, existe em momentos delicados e se localiza bem próximo da fronteira.

As escolhas, em diferentes escalas, são como uma onda acumulada.


Na indústria, vende-se mais porque é de plástico, ou é de plástico porque vende mais?


Os consumidores são indivíduos não-organizados que tomam, em suas escolhas de compra, a escala da multidão. Nós, ainda que sob massificada tentativa de determinação de nossos desejos por parte da indústria e da publicidade; de nossa possível imaturidade diante da necessidade afetiva de pertencimento; ainda assim, temos o privilégio de fazer escolhas e tudo parece necessitar ser sacrificado pela atenção consciente.


Por serem diferentes dos espetáculos teatrais, do cinema e da música, as artes visuais e, dentro deste campo, as artes experimentais e as artes públicas, tornam-se, por suas qualidades relacionais, “ponta de lança” do sistema cultural, das diretrizes e ações públicas de desenvolvimento social.  Também sob essa ótica, escolhas que estariam em uma escala do indivíduo, ou do grupo e seu micro-cotidiano, tornam-se escolhas coletivas, escolhas sociais.


Presenciamos a todo instante o perigo eminente da forma amornada, das propostas inseridas no sistema instituído sem posicionamentos críticos e tensionadores, na busca por estar em relação de manutenção de mão dupla com ele… Como reconhecer o ponto em que simplesmente reproduzimos o que não nos serve mais? Como pode ser uma relação fronteiriça de negociação diferenciada com as instâncias de poder? E como podem os que trabalham em posições de poder estabelecer tomadas de decisão, governança e empoderamento de forma diferenciada? Quais os valores e princípios fundamentais? Quais as diretrizes e indicadores que nos guiam? Qual o sentido que estamos construindo?


Nas práticas e negociação pessoal, o que vem atrás, recebe esse mesmo ponto, ou padrão, que se torna dado de referência ou parâmetro pré-estabelecido. Faz-se necessário perder a ingenuidade, ou qualquer tipo de mitificação e tabu nas negociações, sobretudo nos acordos jurídicos e econômicos. 


No entrelaçamento das práticas artísticas e culturais da sociedade,  na lógica das redes, pelas novas organizações e economia criativa, encontramos alguns exemplos de práticas (cultura livre; democratização do conhecimento e livre circulação; intervenções e ações diretas; happenings e arte relacional; manifestações públicas e midiáticas; práticas pacifistas e desobediência civil não violenta; entre outros), que pressionam transformações para outras tomadas de decisões das instâncias de poder, ao imprimir novos valores e ética no trabalho e suas relações (como nas manifestações frente as situações jurídicas e econômicas das atuais leis de isenção fiscal, direito autoral e propriedade intelectual). Dessa forma, todas as escolhas no âmbito do trabalho – desde a escala individual – serão sempre, para o sistema, escolhas coletivas.


Vivemos em uma sociedade pautada nos processos de Troca e Partilha, buscando aprender práticas de Compartilhar e Colaborar – detalhes do COMO – geradoras de novo processo cultural para essa sociedade.


Já é possível perceber que se apropriar singularmente, ou grupalmente, dos meios de produção e difusão, importante prática dos artistas e agrupamentos independentes, dinamizados pelo uso das atuais tecnologias, não basta para o fortalecimento das novas organizações em rede como possibilidade de reorganização social. Pois, ou são efêmeras e pontuais, ou são facilmente absorvidas pelo sistema vigente, necessitado de novidades geracionais para se manter. Desse modo, as dinâmicas coletivas que imprimem novas éticas e valores; o ambiente compartilhado e estruturado de maneira a gerar menos desperdício e ampliação das possibilidades de relações, como lentes que nos amplificam a visão; e, principalmente, a continuidade dos processos, são eixos fundantes na transição para uma sociedade colaborativa.


Porém, são justamente as novas organizações em rede, capazes de experimentar –  criando e praticando conceitos diferenciados como autogestão – compartilhar e colaborar em escala macro(ex.: www.indymedia.org – 1999 e www.wikipedia.org – 2001) ou comunitária (ex.:http://gen.ecovillage.org – 1993), ou ainda coletiva (ex.: www.corocoletivo.org – 2003), que estabelecem novos meios produtivos, circuitos e conhecimento livre. O fundamental na construção cultural é que essas organizações são exemplos para novos procedimentos e valores nas tomadas de decisões, governança, empoderamento, comunicação e resoluções de conflitos, sendo propositivos em soluções e sobressaindo-se ao status quo claramente insuficiente e ineficiente hoje, porque destrutivo e com alto nível de desperdício.


Na organização comunitária, se o foco do investimento de energia produtiva (produtor + processo + produção) e das outras partes da economia, for direcionada em sua maioria para o interior da rede colaborativa, de forma a nutri-la mais, do que o ponto de maior externalidade, a boa tendência é o fortalecimento e a possibilidade da comunidade estar em manutenção continuada e crescente de sua funcionalidade sistêmica; o contrário, tende a gerar desperdício sistêmico. Para tanto, se torna necessário atuar no cinturão da resistência e para além dele, saindo da zona de conforto e dos padrões estabelecidos sobre códigos e necessidades que já não nos pertencem, para que haja construção efetiva de outro modo de existir.


Nesse momento, o redesenho organizacional, econômico e relacional, integrados… talvez seja o caminho político-cultural mais necessário, de estratégia e tática possível, para uma comunidade em rede fundada na lógica da autogestão, do compartilhamento, da colaboração, da dinamização da economia local, do fortalecimento das novas estruturas organizacionais e de uma nova ecologia do sistema e da cultura.


Política? São as escolhas coletivas de cada um, que estabelecem acordos, fronteiras, modos de viver, de relacionar-se e de construir o conhecimento comum. É o desafio e responsabilidade de todos que escolhem viver em sociedade e, dessa forma, necessita ser encarada como construção cotidiana, inteligente, criativa, saudável e prazerosa, porque justa.


* Curiosamente, recebi 3 convites na mesma semana, para abordar o mesmo tema eixo: “Política Cultural”. O texto que vocês podem ler no anexo em PDF, faz parte do processo oportuno, em lugares e com públicos distintos, de pesquisar e compartilhar os pensamentos durante o Fora do Eixo (DF), Prospecta (RN) e Revista Tatuí (PE).


*“NOVAS ORGANIZAÇÕES e CULTURA” originalmente foi publicado na Revista Tatuí 6 e também é possível encontra-lo no blog Cultura e Mercado. 


#culturaorganizacional #coletivodearte #corocoletivo #coletivosemredeeorganizaçoes #culturacontemporânea #arteatual #transformaçaosocial

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo